segunda-feira, 21 de maio de 2018
 
     
 
Sistema Ambiental Paulista se une para divulgar os ODS
 
     
 
 
 
     
 

Em agosto de 2015, mais de 190 países, incluindo o Brasil, assinaram a Agenda 2030, adotando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): 17 objetivos e 169 metas para tratar do tema desenvolvimento sustentável. No dia 15/05, a Secretaria do Meio Ambiente, por meio da Assessoria Internacional, promoveu o lançamento da campanha Meio Ambiente e os ODS, a fim de discutir os caminhos para o cumprimento dos objetivos. O encontro, realizado no auditório Augusto Ruschi, sede da SMA, reuniu representantes do governo federal, de secretarias de estado, de ONGs e público interessado, com participação de representantes da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo (SSRH).

 

“Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável” é objetivo número 17. Ele foi a tônica dos pronunciamentos da mesa de abertura e, também, da mesa técnica que se seguiu. Rose Diegues, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), foi a primeira a se manifestar. Disse que os ODSs trabalham com três grandes dimensões: econômica, social e ambiental. “Os 17 Objetivos foram construídos com o sucesso dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, incluindo novos temas, como a mudança global do clima, desigualdade econômica, inovação, consumo sustentável, paz e justiça, entre outras prioridades. Os objetivos são interconectados – o sucesso de um ODS envolve o combate a temas que estão associados a outros objetivos”.

 

Rose Diegues convidou os participantes a visitarem a plataforma 2030 no site do PNUD. Lá já estão disponíveis, entre outros, temas como água, gênero, mudanças do clima, inovação, energia e saúde. Disse também que “a plataforma 2030 não é uma agenda de governo. É uma agenda de transformação do olhar da sociedade na promoção do desenvolvimento. Nós do PNUD procuramos levar essa agenda por meio de projetos que localize os ODS”.

 

O secretário do Meio Ambiente Maurício Brusadin falou em seguida sobre o hiato histórico do Brasil em relação aos ODS. “A agenda dos ODS no mundo teve início num momento em que o Brasil passava por um momento de conturbação política interna. Infelizmente, nós perdemos a carona na agenda mundial. Não na implementação, que já vem acontecendo em diversos programas, mas na sensibilização da sociedade. A gente sempre fala muito entre nós. A maioria da população nem sabe o que são as ODS. Como avançaremos numa política pública se as pessoas não sabem?”.

 

Brusadin disse ainda que “hoje estamos com todo o Sistema Ambiental aqui para lançar a meta número um: semear as ideias que estão nos 17 objetivos e semear que há uma agenda para o planeta. Porque nas forças temáticas da sustentabilidade é importante que cada cidade, cada estado, cada país faça sua agenda. Esta agenda não é territorial. Elas suplantam a questão territorial, o conceito de estado e nação”.

 

O secretário também convocou todo o Sistema Ambiental Paulista para “usar todas as nossas redes, os nossos encontros para dizer para as pessoas que o planeta, por meio da ONU está propondo uma agenda para aqueles que virão depois de nós. E que se essa agenda não sair do papel nós estaremos colocando em risco o futuro e a existência do planeta. Esse é o nosso grande desafio”.

 

A campanha Meio Ambiente e os ODS será conduzida pela Assessoria Internacional da SMA. A área será a responsável por convocar todo o sistema para abraçar o maior número de objetivos. “Cada um vai absorver os indicadores e vai colocar à frente do trabalho como pauta. Gabinete e Coordenadoria de Planejamento Ambiental, com o Zoneamento Ecológico Econômico, o Município VerdeAzul, que dialoga com os municípios. Enfim, temos que ter a consciência em nosso dia a dia de como poderemos vislumbrar os 17 ODS. É uma obrigação que temos com o planeta, um ato generoso para com as futuras”.

 

Na mesa de abertura do evento, além de diretores do Sistema Ambiental Paulista, esteve presente o Eduardo Jorge, coordenador do programa ODS da Secretaria da Saúde. Na mesa técnica, Giovana Barbosa de Souza, da UMAPAZ; Isabela Messias, da Assessoria Especial de Assuntos Internacionais do governo do Estado SP; Sergio Luiz Damiati, da Secretaria da Educação; Rodrigo Correa Ramiro, da Comissão Nacional sobre ODS, Américo Sampaio, da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos (SSRH); Ana Luisa, do Programa Município VerdeAzul; e Jussara Carvalho, da Assessoria Internacional da SMA.

 

Américo Sampaio, coordenador de Saneamento da SSRH, apresentou durante o evento uma série de indicadores relacionados ao ODS 6. “As metas do ODS 6 estão relacionadas diretamente às atribuições e atividades da SSRH. Sendo assim, iniciamos um programa com outras secretarias de acompanhamento e monitoramento, para o qual propusemos indicadores e apontamos os órgãos responsáveis por eles”, relatou.

 

Também participou do evento o Assessor de Relações Internacionais da SSRH, Patrick Johann Schindler. "A maneira mais efetiva de internalizarmos os ODSs na SSRH, será por meio dos nossos programas e projetos. A ideia é incluir a agenda 2030 e alinhá-la ao escopo de nossas ações, programas e projetos em vigor por meio de adaptações necessárias para atingirmos resultados mais eficazes visando sua implementação"”, afirmou Patrick Schindler.

 

Os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

 

1 – Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

 

2 – Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável.

 

3 – Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades.

 

4 – Assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

 

5 – Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

 

6 – Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos.

 

7 – Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia, para todos.

 

8 – Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todos.

 

9 – Construir infraestruturas resistentes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação.

 

10 – Reduzir a desigualdade entre os países e dentro deles.

 

11 -Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis./h4>

 

12 – Assegurar padrões de produção e consumo sustentáveis.

 

13 – Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos.

 

14 – Conservação e uso sustentável dos oceanos, mares e dos recursos marinhos, para o desenvolvimento sustentável.

 

15 – Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra, e estancar a perda de biodiversidade.

 

16 – Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

 

17 – Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

 

 

Fonte das informações e foto: Comunicação SMA

 

     
  Share on FacebookTweetShare on Google+Post to TumblrShare on LinkedInSend email
Mais notícias