sexta-feira, 17 de novembro de 2017
 
     
 
Representantes da SSRH participam de evento sobre os Objetivos Sustentáveis da ONU
 
     
 
 
 
Patrick Schindler e Américo Sampaio, durante o encontro realizado no Palácio Bandeirantes (Foto: Divulgação)
 
     
 
Representantes da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo (SSRH) participaram do II Workshop dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). O coordenador de Saneamento, engenheiro civil Américo Sampaio, e o Assessor para Assuntos Internacionais, Patrick Johann Schindler, estiveram no encontro realizado no dia 10 de novembro no Palácio Bandeirantes, promovido pela Assessoria Especial para Assuntos Internacionais (AEAI) do governo paulista. No Workshop foram discutidos a adaptação e a coordenação dos programas de São Paulo para os ODS, além do alinhamento estratégico, as oportunidades de cooperação, a metodologia de projetos e a captação de recursos.
Os ODS são um conjunto de 17 objetivos e 169 metas globais estabelecidas pela ONU com prazo até 2030 para serem alcançadas. A erradicação da pobreza e um modelo de mundo mais sustentável estão entre seus temas principais de discussão.
 
Desafios
O evento contou com a presença de Cláudio Ribeiro, Secretário Adjunto da Secretaria Nacional de Articulação Social, que mencionou que a equação para a implementação dos ODS é governança + parcerias entre diferentes stakeholders = implementação dos ODS. “A agenda 2030 (ODS) é uma agenda de Estado e não de Governo. O seu cumprimento é uma oportunidade real para a redução das assimetrias intra e interregionais em cada ente federativo”, apontou.
A Superintendente de Gestão Ambiental da USP, Patrícia Iglesias, ressaltou que a disseminação de informações relativas aos ODS gera mudanças comportamentais e lembrou da importância do conhecimento científico transformar-se em políticas públicas. Já Yuri Souza, representante da Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores, ressaltou que somente por meio de uma abordagem multissetorial, os ODS poderão ser implementados.
 
Trabalho contínuo
Este foi o segundo workshop sobre o tema organizado pela AEAI. O primeiro aconteceu em julho de 2016 no auditório do Centro Paula Souza e reuniu 23 secretarias estaduais. “No primeiro evento fizemos a apresentação de cada um dos 17 objetivos, além de um panorama sobre a conclusão dos ODM (Objetivos do Milênio), que foram substituídos pelos ODS em setembro de 2015”, afirmou Ana Paula Fava, chefe da AEAI.
Fernanda Carrer, assessora de Cooperação Internacional da AEAI e idealizadora do workshop, ressalta que o governo paulista está muito comprometido com o tema e agora o principal desafio é garantir que os objetivos sejam incorporados e entrem definitivamente para a agenda de todo brasileiro.
O cartunista Maurício de Sousa participou do evento distribuindo para as crianças da creche do Palácio dos Bandeirantes a coleção de 17 gibis sobre ODS lançados recentemente. Em parceria com a organização Aldeias Infantis SOS Brasil, os gibis explicam cada um dos objetivos da ONU.
 
Evento internacional
No próximo dia 30/11, a SSRH, a Universidade de Saúde Pública da USP, a UN-HABITAT e a UNU-FLORES vão realizar um evento internacional para debater a questão da água de reúso à luz dos ODS. O objetivo do encontro será debater a construção da capacidade regional para monitorar o reúso da água visando a sustentabilidade. Virão ao Brasil para participar das discussões especialistas da UN-Habitat e UNU-Flores, órgãos ligados à ONU. O evento acontecerá no Sesc Belenzinho, na capital paulista, entre 10h e 18h.
 
Saneamento
Na área de saneamento, o objetivo de desenvolvimento sustentável mais importante é o de número 6, que prevê “assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos”. Conheça abaixo quais são os itens do Objetivo 6:
6.1 - Até 2030, alcançar o acesso universal e equitativo à água potável e segura para todos.
6.2 - Até 2030, alcançar o acesso a saneamento e higiene adequados e equitativos para todos, e acabar com a defecação a céu aberto, com especial atenção para as necessidades das mulheres e meninas e daqueles em situação de vulnerabilidade.
6.3 - Até 2030, melhorar a qualidade da água, reduzindo a poluição, eliminando despejo e minimizando a liberação de produtos químicos e materiais perigosos, reduzindo à metade a proporção de águas residuais não tratadas e aumentando substancialmente a reciclagem e reutilização segura globalmente.
6.4 - Até 2030, aumentar substancialmente a eficiência do uso da água em todos os setores e assegurar retiradas sustentáveis e o abastecimento de água doce para enfrentar a escassez de água, e reduzir substancialmente o número de pessoas que sofrem com a escassez de água.
6.5 - Até 2030, implementar a gestão integrada dos recursos hídricos em todos os níveis, inclusive via cooperação transfronteiriça, conforme apropriado.
6.6 - Até 2020, proteger e restaurar ecossistemas relacionados com a água, incluindo montanhas, florestas, zonas úmidas, rios, aquíferos e lagos.
6.a - Até 2030, ampliar a cooperação internacional e o apoio à capacitação para os países em desenvolvimento em atividades e programas relacionados à água e saneamento, incluindo a coleta de água, a dessalinização, a eficiência no uso da água, o tratamento de efluentes, a reciclagem e as tecnologias de reuso.
6.b - Apoiar e fortalecer a participação das comunidades locais, para melhorar a gestão da água e do saneamento.

 
     
  Share on FacebookTweetShare on Google+Post to TumblrShare on LinkedInSend email
Mais notícias