terça-feira, 9 de maio de 2017
 
     
 
Estudo do Trata Brasil expõe a importância do saneamento no desenvolvimento social
 
     
 
 
 
Os investimentos em saneamento geram empregos, renda e qualidade de vida para a população (Arte: Comunicação Sabesp)
 
     
 
Um estudo concluído pelo Instituto Trata Brasil comprova a importância dos investimentos em saneamento na melhoria da qualidade de vida da população e mostra em números que as vantagens para a sociedade vão muito além do serviço. Os benefícios do abastecimento de água e do esgotamento sanitário são de amplo conhecimento da Sabesp e de todos os funcionários, mas é muito relevante um levantamento detalhado sobre o assunto expor com clareza a relação entre recursos investidos no setor e desenvolvimento social e econômico.
O trabalho do Trata Brasil, feito com apoio da Sabesp, reúne não só informações sobre a situação do saneamento e suas necessidades em todo o Brasil, mas também estimativas do impacto que os investimentos no setor pode ter na economia e na sociedade. Segundo o estudo, os cálculos permitem concluir que, na média do período estudado (2015 a 2035), a cada R$ 1.000 que se investe na expansão da infraestrutura de saneamento, a sociedade brasileira obtém R$ 1.700 de retorno social no longo prazo. A equação, portanto, evidencia a importância da destinação dos recursos para a distribuição de água potável e o esgotamento sanitário.

 

Movimentação da economia
O presidente do Trata Brasil, Édison Carlos, esteve na apresentação do estudo que o instituto fez na Casa Civil da Presidência da República, em Brasília, com a participação do presidente da Sabesp, Jerson Kelman, e de outros representantes do setor. Feito com base em informações do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), do IBGE e dados internacionais da ONU, o trabalho mostra que o ganho com investimento em saneamento não se limita à área de saúde, como se pode pensar num primeiro momento, mas alcança outros segmentos, a começar pela geração de empregos.
Entre 2005 a 2015, por exemplo, o estudo mostrou que o país investiu em média R$ 9,264 bilhões por ano em obras de manutenção e expansão das redes de água e esgoto nas cidades brasileiras. Esses investimentos sustentaram quase 142 mil empregos por ano e geraram uma renda de R$ 11 bilhões anuais na economia brasileira. Isso significa que cada R$ 1.000 investidos geraram uma renda na cadeia produtiva da construção civil de R$ 1.190, evidenciando o efeito multiplicador do investimento em saneamento. No mesmo período, as operações de água e esgotos no país obtiveram receita operacional total média de R$ 39,5 bilhões ao ano, sustentando um total de 340,4 mil empregos anuais e gerando R$ 43,828 bilhões de renda por ano na economia brasileira.

 

Saúde
Na área da saúde, a relação entre investimentos em saneamento e ganho é ainda mais evidente, como mostram vários indicadores do estudo. Mas somente o gasto de R$ 125,5 milhões que o SUS teve em 2013 com 391 mil internações por doenças gastrointestinais infecciosas já dá a dimensão de quanto poderia ser economizado com a distribuição de água potável, principalmente quando o trabalho do Trata Brasil indica que naquele ano foram registrados 14,982 milhões de casos de afastamento do trabalho por diarreia ou vômito.
Mesmo setores em que a relação aparentemente não é tão direta podem trazer ganhos à economia e à sociedade, como é o caso do turismo. Como a atividade econômica não se desenvolve adequadamente em regiões com falta de água tratada, coleta e tratamento de esgoto pela questão ambiental, o potencial turístico do país fica aquém do que poderia ser explorado, até mesmo na comparação com nações vizinhas. Em 2014, ano da Copa do Mundo, o Brasil recebeu a média de 31 turistas para cada grupo de mil habitantes, enquanto Cuba teve 261 visitantes e Chile e Argentina chegaram a 207 e 138 turistas respectivamente. Não bastasse a receita que o país deixa de ganhar, há ainda a perda por postos de trabalho no setor.
Responsável por cerca de 28% de todo o investimento em saneamento no país, a Sabesp tem plena consciência de seu papel e somente em 2016 investiu R$ 3,9 bilhões. Como mostra o estudo, os ganhos para a sociedade vão ainda mais longe, alcançando até mesmo a melhora na produtividade no trabalho e do desempenho escolar e incentivando a valorização imobiliária. Ao abordar a situação de todo o país, o Trata Brasil estima que os investimentos que levassem à universalização do saneamento até 2035 propiciariam benefícios econômicos e sociais de R$ 537 bilhões. Esses dados expõem o desafio que o setor tem pela frente e que a Sabesp encara diariamente, ciente das obrigações e com resultados positivos para a população.

 

Fonte: Comunicação Sabesp

 
     
  Share on FacebookTweetShare on Google+Post to TumblrShare on LinkedInSend email
Mais notícias