sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017
 
     
 

Braga fala sobre a questão da água em evento na Academia de Ciências do Vaticano

 
     
 
 
 
O secretário Benedito Braga em meio aos participantes do Seminário no Vaticano (Foto: Assessoria de Comunicação)
 
     
 
O secretário de Saneamento e Recursos Hídricos de São Paulo, Benedito Braga, participou nesta quinta e sexta-feira (23 e 24/02) de um seminário na Academia de Ciências do Vaticano sobre "O Direito Humano à Água". Braga, que preside o Conselho Mundial da Água, foi um dos palestrantes do evento que reuniu cientistas do mundo todo para debater o tema, contando com uma participação do Papa Francisco no dia de encerramento.
Além de Benedito Braga, Dom Claudio Humes (que presidiu o evento) e o professor Virgílio Viana representaram o Brasil no seminário, do qual resultou uma carta propositiva final. O objetivo dos debates foi a troca de contribuições interdisciplinares sobre políticas públicas na gestão da água e do saneamento, melhorando o acesso da população a serviços essenciais.

Importância da água
Segundo Benedito Braga, esta é uma iniciativa extremamente importante para o setor de recursos hídricos no âmbito mundial. “O envolvimento do Papa Francisco e a participação da Academia de Ciências do Vaticano trazem uma mensagem sobre a importância que tem a água”, afirmou, lembrando que o próximo Fórum Mundial da Água, maior evento planetário sobre o assunto, acontecerá em 2018 no Brasil. Braga inclusive fez o convite oficial para a participação do Vaticano no Fórum.
A questão da água tem sido muito destacada nos últimos anos pela Igreja Católica. Em 2016, o tema da Campanha da Fraternidade foi o saneamento e este ano será a proteção aos biomas (espaços geográficos com características físicas, biológicas e climáticas definidas, bem como seu conjunto de seres vivos e redes de relações).

Mudanças climáticas
Entre os pontos debatidos no evento estão as mudanças climáticas, seus efeitos sociais, econômicos e políticos. “A crise da água no mundo não é apenas uma ameaça em si mesma, mas um risco múltiplo que se reflete diretamente na estabilidade política e social. Dados do National Intelligence Council, dos Estados Unidos, apontam que a segurança hídrica é fundamental para a estabilidade política e o Fórum Econômico Mundial confirmou isso no seu Relatório de Riscos de 2017”, ressaltou Braga, lembrando que a integração de várias disciplinas, como antropologia, engenharia, urbanismo e saúde é muito importante para a busca de soluções na área.
Em sua fala no evento do Vaticano, o secretário destacou também que a questão da água exige governança e principalmente infraestrutura e esta só se consegue com investimento de longo prazo. E citou como exemplo a crise hídrica vivida por São Paulo em 2014/15: “com a seca extrema, foi necessário mexer em questões estruturais e não estruturais, indo da aceleração de investimentos na produção de água potável à busca da conscientização da sociedade para estabelecer um novo padrão de consumo. Apesar das dificuldades, São Paulo não parou e hoje outros estados e países vêm conhecer o que foi e está sendo feito. Exemplos disso foram a vinda de técnicos da Companhia de Saneamento do Distrito Federal (CAESB) para conhecer unidades de tratamento com uso de membranas, e também o empréstimo das bombas do Cantareira para aliviar os efeitos da seca no Nordeste”, ressaltou.

Mais informações: http://www.pas.va/content/accademia/en.html


 
     
  Share on FacebookTweetShare on Google+Post to TumblrShare on LinkedInSend email
Mais notícias