sexta-feira, 16 de setembro de 2016
Rio Jundiaí apresenta melhoria em qualidade da água
 
Após investimentos realizados pela Sabesp em saneamento básico no interior paulista nos últimos anos, já é possível perceber mudanças positivas em rios e córregos, entre eles o Rio Jundiaí, localizado na região de Itupeva. Com a aplicação de recursos, o rio, que integra a Bacia Hidrográfica Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), foi promovido da classe referente à qualidade de água, saindo de 4 para 3.

O reenquadramento desse importante afluente do Rio Tietê foi aprovado pelo Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo (CRH-SP) e o trecho analisado engloba o perímetro entre a foz do Ribeirão São José, em Itupeva até o Córrego Barnabé, em Indaiatuba. De acordo com o superintendente da Sabesp na região, Antônio Carlos Teixeira, a promoção da classe de qualidade do rio tem relação direta com a implantação de duas principais estações de tratamento de esgotos (ETEs): Itupeva e Campo Limpo Paulista/Várzea Paulista, que contribuíram para a eliminação de 257 toneladas por mês de carga orgânica do afluente. “Já é possível captar água do referido trecho para abastecimento público e beneficiar aproximadamente 55 mil pessoas do município de Itupeva”, conclui.
 
Rio Jundiaí (Foto: Sabesp)
A meta da Sabesp, que opera 366 municípios no Estado de São Paulo, sendo 312 somente no interior paulista, é universalizar os serviços de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos. Desde 2011, já foram construídas e entregues 83 estações de tratamento de esgotos (ETEs) no interior de São Paulo. Atualmente, encontram-se em construção 19 outros sistemas e cinco em contratação, totalizando 107 ETEs. O investimento previsto é da ordem de R$ 850 milhões no período e beneficia diretamente a cerca de 1,8 milhões de pessoas.

Investimentos
Entre 2009 e 2014, a Sabesp investiu R$ 206,6 milhões em empreendimentos na Bacia do Jundiaí, principal manancial que corta os municípios de Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista e Itupeva. Em Itupeva, a implantação do sistema de esgotamento sanitário teve início em 2009 com a construção da ETE e da estação elevatória de esgotos (EEE). O sistema entrou em plena operação em julho de 2012, elevando o índice de tratamento dos esgotos coletados de 13% para 96%.

O sistema integrado de esgotamento sanitário (SIES) de Campo Limpo Paulista e Várzea Paulista começou a operar em 2013, contribuindo, ainda mais, com a despoluição do Rio Jundiaí. A obra contemplou a construção de cinco estações elevatórias de esgotos nos dois municípios, uma estação de tratamento de esgotos e 38 quilômetros de redes capazes de transportar o esgoto coletado para o tratamento na ETE. A estação tem capacidade para tratar 560 litros de esgotos por segundo e permitiu que Campo Limpo Paulista e Várzea Paulista atingissem 90% e 96% de tratamento de esgotos, respectivamente.
 
Mais notícias