quarta-feira, 27 de julho de 2016
Captação da Sabesp na bacia do Rio Itapanhaú é aprovada pelo Consema
 
O Consema (Conselho Estadual do Meio Ambiente) aprovou, na manhã desta quarta-feira (27), o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) elaborado pela Sabesp para transferir água da bacia do rio Itapanhaú para a represa Biritiba Mirim, integrante do Sistema Alto Tietê. Com isso, a licença ambiental prévia do empreendimento será publicada.

A obra de reversão na bacia do Itapanhaú tem como objetivo aumentar a segurança hídrica do Sistema Produtor Alto Tietê, que hoje abastece 4,5 milhões de moradores da capital e Grande São Paulo, e, por consequência, de toda a Região Metropolitana de São Paulo. O investimento previsto de R$ 170 milhões inclui a construção de uma estação elevatória de água, 6,5 km de adutora e estrutura para dissipação da água na várzea da represa Biritiba Mirim. A capacidade de captação máxima será de 2.500 litros por segundo (l/s) e a média mensal será de até 2.000 l/s, respeitando a outorga definida e a disponibilidade hídrica da bacia.
 
Reunião do Consema reuniu representantes de órgãos governamentais e metade da sociedade civil (Foto: SSRH)
Ou seja: quando a vazão estiver alta e houver necessidade, bombeia-se a água. Com menor entrada de água, interrompe-se a captação.

Durante a reunião do conselho, o diretor de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente da Sabesp, Edison Airoldi, apresentou o objetivo e as características da obra, ressaltando o trabalho de monitoramento ambiental que será realizado pela companhia para preservar a fauna e a flora do Parque Estadual da Serra do Mar e da restinga e mangues de Bertioga, onde o Itapanhaú deságua no mar. A Sabesp fará a captação a fio d'água (direto do rio), sem a construção de uma barragem e sem impacto ambiental significativo.
 
O QUE É O CONSEMA
 
Liderado pelo atual Secretário do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) é responsável pelo acompanhamento da política ambiental no que se refere à preservação, conservação, recuperação e defesa do meio ambiente, passando pelo estabelecimento de normas e padrões ambientais, até a convocação e condução de audiências públicas e, sob determinadas circunstâncias, a apreciação de EIAs/RIMAs-Estudos e Relatórios de Impacto sobre o Meio Ambiente. O Conselho é paritário e compõe-se de trinta e seis (36) membros, sendo metade de seus representantes oriunda de órgãos governamentais e metade da sociedade civil. O mandato é de dois (2) anos, renovável por mais dois anos.
 
Mais notícias