quarta-feira, 06 de junho de 2016
 
Secretaria participa do Seminário Internacional de Controle de Perdas e Enfrentamento da Escassez Hídrica
 
O Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos e Presidente do Conselho Mundial da Água, Benedito Braga, participou, na noite desta terça (5), da abertura do Seminário Internacional de Controle de Perdas e Enfrentamento da Escassez Hídrica, organizado pela ABES (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental), na capital paulista.
O evento reúne nesta quarta (6) e quinta-feira (7) os maiores especialistas do mundo em perdas de água. Ao representar o governador Geraldo Alckmin, Braga iniciou o discurso relembrando que, em 2015, a Assembleia Geral da ONU adotou um conjunto de metas para o desenvolvimento sustentável da nação e, entre essas 17 medidas, água limpa e saneamento foram incluídos. "Nosso país foi signatário desta convenção e deve mostrar resultados nessa questão de uso eficiente da água", disse.
 
Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Benedito Braga, discursa em seminário internacional de controle de perdas (Foto: Beatriz Machado/Sabesp)
Em seguida afirmou que, nos anos 2000, os governos tinham como meta reduzir em 50% o número de pessoas sem acesso à água potável e São Paulo conseguiu cumprir este objetivo.
Sobre a crise hídrica vivida pela estado de São Paulo nos anos de 2014 e 2015, o secretário frisou que o período foi enfrentado com os Programas de Redução de Perdas (PRPs), além dos investimentos em infraestrutura hídrica. "Nossa sociedade precisa estar mais resiliente para fazer frente a essa variabilidade climática e isso se faz com um conjunto de ações, atuando na demanda com o controle de perdas e atuando na oferta com aumento da disponibilidade hídrica com construção de reservatórios, adutoras e canais", afirmou. "Incentivos econômicos são muito importantes. Com o ônus e o bônus, as campanhas de mobilização e os instrumentos econômicos na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), nós conseguimos uma redução significativa de consumo. Nós, na RMSP, já criamos uma nova cultura de uso eficiente da água e isso tem que permanecer", falou.
Para complementar o tema, Braga citou parte da palestra do presidente da Sabesp, Jerson Kelman, que também estava presente, e falou sobre o trabalho de redução de perdas que a companhia realiza desde 2009, intensificado no período da crise hídrica no estado. "A Sabesp é, hoje, uma empresa que tem perdas físicas [de água] compatíveis com países do primeiro mundo graças a esse trabalho de controle de perdas", declarou o secretário, lembrando que, além das tecnologias e dos recursos financeiros, esse controle também precisa passar por uma articulação federativa importante para funcionar.
Por fim, Braga lembrou que, entre os dias 18 e 23 de março de 2018, será realizado o Fórum Mundial da Água em Brasília, focado na sustentabilidade e no saneamento. Serão discutidas pautas como o uso consciente da água, o enfrentamento da crise hídrica e o controle de perdas, com foco no "fenômeno do gato", que se dá quando um cidadão coleta a água da tubulação de forma ilegal e não faz o uso consciente, resultando em perdas significativas de água. "Eu espero que esses temas possam ser discutidos. Através desses intercâmbios de experiência de conhecimentos, podemos melhorar a gestão da água em São Paulo, no Brasil e no mundo", finalizou.
 
Mais notícias